Pastor diz que “praga não entra em igreja” e aglomera fiéis em SP

Publicado em: 05/09/2020

                                          Foto: reprodução/Facebook

 

Imagens de um culto evangélico realizado em Praia Grande, no litoral de São Paulo, foram divulgadas nas redes sociais e causaram revolta em moradores da cidade. Os fieis aparecem sem máscara, se abraçando e de mãos dadas em alguns dos registros. Ao G1, o pastor responsável pelo local afirma que isso aconteceu em um momento específico da oração, e que toma todos os cuidados necessários à prevenção da Covid-19.

O culto foi realizado na última quinta-feira (3) em uma casa de oração localizada no bairro Jardim Anhanguera. Após o encontro religioso, pastores postaram vídeos e fotos nas redes sociais, que alcançaram moradores da cidade, mesmo aqueles que não frequentam o espaço.

Segundo o responsável pelo local, o pastor Salvador, o espaço religioso está respeitando as regras estabelecidas pelo município. De acordo com ele, são apenas em momentos específicos do culto que as pessoas tiram as máscaras e têm contato físico.

“Aqui é um lugar de cura e milagre, então, na hora que as pessoas são arrebatadas, tiramos a proteção respiratória, para que não venham a se sufocar. Eu gosto de fazer as coisas dentro da lei, inclusive, aqui já teve acompanhamento da prefeitura e estou tomando todas as precauções”, diz.

Um decreto estadual obriga, desde 1º de julho, o uso de máscaras em São Paulo, sob pena de multa de R$ 500. Na cidade de Praia Grande, igrejas e templos podem funcionar, contanto que frequentadores, funcionários e dirigentes usem, obrigatoriamente, máscaras, e que a lotação máxima do local não ultrapasse 30% da capacidade do espaço. Locais com mais de 100 metros quadrados precisam medir a temperatura corporal dos frequentadores, sendo proibida a entrada de quem estiver com mais de 37ºC.

Pessoas do grupo de risco, como idosos, gestantes ou munícipes com doenças respiratórias, ou que apresentarem febre, tosse e dificuldade para respirar, não poderão ir às reuniões. Os frequentadores também deverão sentar com espaço de dois assentos de distância para frente, para trás e para ambos os lados.

Além disso, é obrigatória a disponibilização de álcool em gel ou água e sabão na entrada do espaço. Segundo a prefeitura, todo o espaço, incluindo as cadeiras, bancos, microfones, púlpitos e móveis em geral precisam ser higienizados antes e depois do uso. A fiscalização vai monitorar os espaços para garantir que as regras sejam seguidas.

Segundo o pastor, no local, há álcool em gel disponibilizado aos fieis e também máscaras, em caso de necessidade. Ele também relata que o espaço é diariamente higienizado. “Vereadores já foram curados de câncer de próstata aqui. Aqui é basicamente um hospital do povo. Cuido de pessoas com lepra, câncer, de vários tipos de situação. Só que tem pessoas que não fazem a obra de Deus, e não querem que os outros façam”, afirma.

Segundo o pastor, nenhum dos fieis da casa de oração já foi contaminado pela Covid-19, e ele os orienta sobre os cuidados fora da igreja para evitar o contágio pela doença.

“A Bíblia nos diz que, para aquele que está ligado e fundado em espírito pelo amor da obra de Deus, praga nenhuma chegará à sua tenda. Então, quando verdadeiramente fazemos a obra de Deus, com amor, não tem praga nenhuma que chegue à nossa casa. Já abracei uma menina que tinha lepra, ela e a família, e ela está curada. E eu não peguei praga nenhuma”, diz.

O G1 questionou a Prefeitura de Praia Grande sobre o ocorrido, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

 

G1

 




Faça o seu comentário