G20 chega a consenso e condena guerra na Ucrânia, mas não a Rússia

Publicado em: 09/09/2023

                                 Foto: Ricardo Stuckert/PR

 

A declaração final dos líderes do G20, divulgada neste sábado (9), incluiu a guerra na Ucrânia dentre os 76 tópicos apresentados no texto. O documento rejeita a invasão territorial e o uso da força contra a soberania ou independência política de qualquer Estado, diz que a ameaça de uso de armas nucleares é inadmissível e saúda iniciativas pela paz na região.

Em condescendência com a Rússia e a China, o texto diz que o G20 não é o fórum adequado para resolver questões geopolíticas, mas enfatiza as consequências econômicas globais do conflito.

O tema colocou os integrantes do bloco em lados opostos nas discussões prévias e chegou a ameaçar a formalização da declaração, o que seria inédito na história do bloco.

Nações ocidentais, lideradas pelos Estados Unidos e União Europeia, pediam uma forte condenação da Rússia. Por outro lado, a Rússia, representada pelo chanceler Sergei Lavrov, se recusava a assinar comunicado com essa mensagem. A China, por sua vez, representada pelo primeiro-ministro, Li Qiang, defendia que a declaração deveria se ater a questões econômicas, cerne do G20.

O texto final incluiu ressalvas que pudessem agradar aos russos e chineses. “Reafirmando que o G20 é o principal fórum para a cooperação econômica internacional e reconhecendo que, embora o G20 não seja a plataforma para resolver questões geopolíticas e de segurança, reconhecemos que estas questões podem ter consequências significativas para a economia global”, diz o texto.

O texto ressalta o sofrimento humano decorrente da guerra e pede uma resolução pacífica, com diplomacia e diálogo. “Vamos nos unir no nosso esforço para enfrentar o impacto adverso da guerra na economia global e saudaremos todas as iniciativas relevantes e construtivas que apoiam uma paz abrangente, justa e duradoura na Ucrânia. […] A era de hoje não deve ser de guerra”, diz o documento.

O comunicado citou ainda posições sobre o conflito europeu adotadas por países no Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) e na Assembleia Geral da ONU.

 

Poder 360

 




Faça o seu comentário