Candidata negra foi rejeitada em cota de concurso do MPU por ser “bonita”, diz TJ

Publicado em: 02/10/2020

                                                 Foto: reprodução

 

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal determinou que uma candidata negra que foi excluída do sistema de cotas de um concurso do Ministério Público seja readmitida no processo para o qual foi aprovada em 2018.

No entendimento do desembargador Teófilo Caetano, a economista Rebeca da Silva Mello, 28, foi eliminada do certame porque a banca examinadora considerou que ela não sofreu discriminação por ser “bonita” e não ter características físicas associadas pessoas negras, como “cabelo crespo, nariz e lábios extremamente acentuados e cor da pele negra evidenciada” —escreveu o juiz na decisão.

Confira a matéria completa no site Justiça Potiguar.

 




Faça o seu comentário